João Castro Pinto Em Foco no MIC​.​PT EM Março
Este mês de Março dedicamos a secção Em Foco do MIC.PT a João Castro Pinto, compositor cuja produção artística se situa entre os domínios da soundscape composition, live electronics (solo e com instrumentistas), música electroacústica/acusmática e rádio arte.

Nascido em 1977 (Lisboa), João Castro Pinto principiou os estudos de música em 1986. O seu percurso académico reflecte-se nos seus trabalhos, na medida em que indicia as suas preocupações estéticas. Licenciou-se em Filosofia pela FCSH da Universidade Nova de Lisboa, encontrando-se actualmente concentrado na conclusão dos estudos de Doutoramento em Ciência e Tecnologia das Artes (informática musical/soundscape composition) na Universidade Católica Portuguesa, no CITAR, onde é investigador.
João Castro Pinto tem apresentado regularmente o seu trabalho em Portugal e no estrangeiro em mais de 150 performances/concertos pela Europa, América e Ásia, e divulgado o seu trabalho através de editoras como: Miso Records (Portugal), Unfathomless (Bélgica) ou OtO (Japão), entre outras.
Onde este compositor encontra as suas raízes musicais? Que referências do passado e da actualidade assume na sua prática musical? Como define o papel de compositor hoje em dia? E como vê o futuro da música de arte? ... Respostas a estas e outras perguntas encontrarão na nossa rubrica Em Foco de Março sobre o trabalho criativo de João Castro Pinto, ao qual dedicamos também o 18.º Dossier da série: Dossiers . Compositores Portugueses dos séculos XX e XXI.
Foto: Michael Wieser
José Luís Ferreira (1973-2018)
Na madrugada do dia 26 de Fevereiro deixou-nos José Luís Ferreira - compositor dedicado essencialmente à criação musical mista e electroacústica, com o qual a Miso Music Portugal e o Centro de Investigação & Informação da Música Portuguesa (MIC.PT) mantinham relações privilegiadas.

O seu primeiro contacto com a música deu-se com “Beethoven e os fados da Amália”, como dizia. Depois, José Luís Ferreira estudou Composição na Escola Superior de Música de Lisboa, sob a orientação de Christopher Bochmann, António Pinho Vargas e António de Sousa Dias, sendo o último compositor o orientador da sua tese de Doutoramento na área: Música mista e sistemas de relações dinâmicas. Paralelamente ao Curso de Composição assistiu a seminários e workshops de diversos compositores, como: Emmanuel Nunes, Jean-Claude Risset, John Chowning, Per Anders Nilsson e Trevor Wishart, entre muitos outros. Na sua prática de composição José Luís Ferreira assumia como referência compositores como Gérard Grisey, Salvatore Sciarrino e Helmut Lachenmann, cujo trabalho tem características intrinsecamente sonoras. "Sendo um compositor de música electroacústica mista (…), é-me essencial entender como funciona o fenómeno sonoro. É a tal «massa» com que inicialmente pretendemos lidar quando escrevemos «a» primeira nota numa partitura (…)" - disse José Luís Ferreira na entrevista dada ao MIC.PT em Novembro de 2013.
actividades dos compositores editados pelo MIC​.​PT
Ricardo Matosinhos

Song for Emma, op. 75, para trompa e piano de Ricardo Matosinhos será estreada a 5 de Março por Emma Gregan, compositora e trompista australiana, a quem esta peça é dedicada, e pelo pianista Alex Miller no Adelaide Symphony Orchestra Studio em Adelaide na Austrália. A estreia portuguesa desta peça decorrerá no próximo dia 10 de Março, com Ricardo Matosinhos (trompa) e Isolda Rubio (piano) enquanto intérpretes, no Conservatório de Música de Coimbra. O mesmo recital incluirá também a estreia absoluta das obras - Abide with me de Kerry Turner e Rose-Coloured Glasses de Emma Gregan - obra escrita para Ricardo Matosinhos, trompista, pedagogo e compositor editado pelo MIC.PT; e ainda Canciones para Trompa e Piano de Paul Blaser. O evento está integrado no projecto de investigação de doutoramento que Ricardo Matosinhos está a desenvolver, e que inclui estreias de várias obras para trompa, escritas por músicos e compositores dedicados a este instrumento. Como fala o compositor sobre a sua obra: "Song for Emma começa com uma misteriosa introdução baseada em glissandos afastados em som bouché, um efeito não muito usado por trompistas..."
Pedro Amaral

Escrito em 2003, o Quarteto de Cordas n.º 1 de Pedro Amaral, compositor editado pelo MIC.PT, faz parte do programa dos concertos dos Solistas da Metropolitana - Ana Pereira e José Teixeira (violinos), Joana Cipriano (viola) e Marco Pereira (violoncelo . artista convidado) - que irão decorrer nos dias 15, 16 e 17 de Março, respectivamente: na Biblioteca da Imprensa Nacional em Lisboa, nos Paços do Concelho da Câmara Municipal de Lisboa e na Casa de América em Madrid (Espanha). Este programa inclui ainda o Quarteto de Cordas n.º 2, op. 9 de Joseph Haydn. Como explica Pedro Amaral na nota sobre o seu Quarteto n.º 1: "a composição desta obra assentou, desde o início, num trabalho em torno do número quatro, numa reflexão sobre as suas aplicações possíveis às várias componentes da escrita, uma avaliação das ramificações e desenvolvimentos que a partir dele se podem operar, em suma, um estudo de como uma grandeza quantitativa e simbólica pode contaminar todos os níveis de uma poética musical - da combinatória instrumental à construção rítmica e métrica, das densidades contrapontísticas ao tecido harmónico e ao percurso formal da obra na sua globalidade".
João Pedro Oliveira

Composta em 2016, Neshamah obra acusmática para 8 canais e com vídeo de João Pedro Oliveira, em Março será apresentada no contexto de dois eventos dedicados à música electroacústica e arte audiovisual. No dia 17 esta peça vai integrar o programa do Festival MusLab, a decorrer na Casa del Lago (Universidade Nacional Autónoma do México). Neshamah foi também seleccionada para o festival e simpósio Seeing Sound (23-25 de Março, Bath Spa University, Reino Unido), um evento com ambiente informal para investigar obras que põem no primeiro plano as relações entre o som e a imagem. Adicionalmente, em Fevereiro a SPA anunciou que a gravação da obra de João Pedro Oliveira In Tempore (2000) para piano e electrónica na interpretação de Ana Cláudia de Assis, registada no DVD Ouver: Diálogos Interartes editado pela ANPPOM e UEMG (Brasil), é um dos trabalhos nomeados para o Prémio Autores 2018 na categoria Música - Melhor Trabalho de Música Erudita.
Igor C. Silva

No próximo dia 6 de Março Igor C. Silva - compositor editado pelo MIC.PT - vai participar como conferencista no âmbito dos Research Days . Musical Language, que vão decorrer no Conservatório Real de Bruxelas, sendo o tema da sua apresentação: Sincronização como técnica compositiva. O Grupo de Investigação Musical Language tem como objectivo ir além dos limites dos idiomas composicionais existentes, examinando e validando o antigo e o novo para assim sempre contribuir para a evolução da arte, assim como da criação musical contemporânea. Neste sentido as apresentações dos Research Days abordam uma variedade de temas - desde Debussy à micro-tonalidade, desde Adorno à vanguarda multimédia. Também em Março, no próximo dia 10, a obra de Igor C. Silva Numb (2015) - para saxofone barítono e electrónica - será apresentada por Henrique Portovedo no âmbito da conferência NASA 2018 - North American Saxophone Alliance Biennial Conference.
Vítor Rua

A peça para piano What time is it? (1996) de Vítor Rua, compositor editado pelo MIC.PT, está incluída no programa do recital I Love Satie de Joana Gama - a decorrer a 17 de Março no Teatro Virgínia em Torres Novas. Assim apresenta a pianista este concerto: "neste recital as obras de Erik Satie - que convocam ambientes solenes, melancólicos e até dançantes - convivem com as de Marco Franco, Federico Mompou, Morton Feldman, John Cage e Vítor Rua, num delicado jogo de afinidades". Por seu lado, na nota de programa à sua obra, Vítor Rua diz: "Em What time is it? comecei a usar pela primeira vez como idiossincrasia os ornamentos e grupetos, de certo modo ainda sob a influência de certo repetitivismo minimalista. Se a «surpresa» é um produto do pensamento «linear», então esta composição é definitivamente «não linear». Pode-se afirmar que é uma peça que não pretende «comunicar», mas sim tornar-se «perceptível» numa experiência auditiva diferente, da que encontramos nas músicas de características lineares".
Eduardo Luís Patriarca

No próximo dia 26 de Março a peça de Eduardo Luís Patriarca Paradox I (2018) para clarinete solo, será estreada por Dimitri Bokolisvili, a quem, juntamente com Lina Tonia, é dedicada. O concerto irá ter lugar em Tbilisi na Sala de Concerto da Sociedade Musical da Geórgia. Este clarinetista irá repetir a execução pública da obra de Eduardo Patriarca no próximo dia 30 de Março no Museu da Cultura Bizantina em Salonica, na região grega da Macedônia. Na entrevista dada ao MIC.PT em Julho de 2015, este compositor editado pelo MIC.PT caracteriza a sua linguagem "como um misto de influências, ainda que maioritariamente assente nas técnicas espectrais". "Nunca encontrei um estética que sozinha defina o meu pensamento, o que aliás penso que será comum a todos" - sublinha Eduardo Luís Patriarca.
Música de Compositores Portugueses pelo Síntese - Grupo de Música Contemporânea em Estrasburgo

Obras de quatro compositores editados pelo MIC.PT estão incluídas no programa do concerto do Síntese - Grupo de Música Contemporânea, que irá decorrer no próximo dia 18 de Março na Galeria Faubourg 12 em Estrasburgo (França); são elas: Auat VI [Memento] (2017) para soprano, saxofone alto e violoncelo de Eduardo Luís Patriarca; SALMODIA-da noite e da montanha (2018) para soprano, saxofone alto, acordeão e violoncelo de Cândido Lima; ...when I waked, I cried to dream again (2017) para saxofone alto de Sara Carvalho (estreia mundial); e Sine Nomine (1987) para ensemble de geometria variável de Jorge Peixinho. Para a execução da última peça ao Síntese juntar-se-ão os músicos do Ensemble L’Imaginaire, entidade organizadora do evento. Este programa inclui também a obra Gacela del Niño Muerto (2018) para soprano, saxofone alto, acordeão e violoncelo de Nuno Côrte-Real. Fundado em 2006, o Síntese é um agrupamento de geometria variável, cujo objectivo é promover e incentivar a nova criação musical. Até agora o Síntese encomendou e estreou mais que trinta obras de compositores portugueses de várias gerações e abordagens estéticas.
Música de Compositores Portugueses para saxofone por Henrique Portovedo

Obras de dois compositores editados pelo MIC.PT - Numb (2015) para saxofone barítono e electrónica de Igor C. Silva e In Nuce (2011) para saxofone e electrónica de Ricardo Ribeiro - fazem parte do concerto intitulado SoundGrounds do saxofonista Henrique Portovedo que irá decorrer a 10 de Março no âmbito da conferência NASA 2018 - North American Saxophone Alliance Biennial Conference (University of Cincinnati College - Conservatory of Music). O programa deste recital inclui também a peça Une Autre Nuit (2015) do compositor francês Nicolas Jacquot. No panorama musical português o saxofonista e artista sonoro Henrique Portovedo encontra o seu lugar na criação contemporânea, trabalhando com vários compositores da actualidade, nomeadamente: Igor C. Silva, Paulo Ferreira-Lopes, Sara Carvalho e Luís Carvalho, entre muitos outros criadores portugueses e estrangeiros. O seu repertório conta com mais de 30 obras estreadas.
Novidades MIC​.​PT
Actualidade
 
música hoje na antena 2
9 de Março de 2018, à 1h00
Música e poesia/palavra

Música Hoje prossegue um ciclo dedicado às relações entre a música e a palavra. Neste programa apresentaremos obras de música vocal de compositores que têm dedicado uma parte significativa da sua produção às relações entre a música e a poesia. Descobrindo os sons das palavras e transformando-lhe os sentidos, pois sempre à palavra a música regressa (e por vezes ao teatro) procurando sentidos e ideias, mas também novos sons que a voz descobre quando canta e diz. Escutaremos neste programa obras em que texto e palavra dita são ponto de partida (ou chegada) para criação musical, percorrendo algumas das peças de compositores portugueses vivos, em que mais evidentemente a poesia se liga à música.

23 de Março de 2018, à 1h00
Música e poesia/palavra

Música Hoje dedica esta emissão a músicas contemporâneas de compositores portugueses que estabelecem íntimas relações com a poesia e, mais em geral, com a palavra, prosseguindo um ciclo de programas dedicados à audição de obras em que a poesia é ponto de partida e, por vezes, se assume como material sonoro. A palavra canta, a palavra diz...
partituras MIC​.​PT
A edição de partituras pelo MIC.PT tem como objectivo a distribuição de partituras de obras de compositores portugueses, fomentando a escolha de obras portuguesas por parte de instrumentistas, ensembles e programadores; e ainda o seu estudo no meio académico.
EDIçÕES DIGITAIS MIC​.​PT
João Castro Pinto . Dossier n.º 18
(PT & EN)

Este mês de Março, no contexto da série dos Dossiers . Compositores Portugueses dos séculos XX e XXI, editamos e disponibilizamos on-line duas novas publicações - as versões portuguesa e inglesa do Dossier n.º 18 dedicado a João Castro Pinto.

Edição: MIC.PT
novos CD no MIC​.​PT
Luís José Martins
Tentos - invenções e encantamenTos

Obras de Luís José Martins (guitarra clássica, guitarra preparada, electrónica e percussão): prelúdio . umbra . ostinato e canção . folksong . estudo e ressonância . antumbra

Edição: Shhpuma
estreias recentes
Nuno Côrte-Real
Gacela del Niño Muerto

2 de Fevereiro, XII Síntese - Ciclo de Música Contemporânea, Teatro Municipal da Guarda
Síntese - Grupo de Música Contemporânea
Jan Wierzba . direcção musical
Cândido Lima
SALMODIA-da noite e da montanha

2 de Fevereiro, XII Síntese - Ciclo de Música Contemporânea, Teatro Municipal da Guarda
Síntese - Grupo de Música Contemporânea
Jan Wierzba . direcção musical
Ângela da Ponte
Katharsis

2 de Fevereiro, XII Síntese - Ciclo de Música Contemporânea, Teatro Municipal da Guarda
Síntese - Grupo de Música Contemporânea
Jan Wierzba . direcção musical
Hugo Vasco Reis
Metamorphosis and Resonances for accordion solo
7 de Fevereiro, Folefest 2018, Teatro da Trindade, Lisboa
Paulo Jorge Ferreira . acordeão
Jaime Reis
Bartolomeu, o voador
11 de Fevereiro, Festival DME 58, Casa Municipal da Cultura de Seia
José Baptista . encenação; Beatriz Cruz . coreografia
Ludovina Fernandes, Diana Dias e Hugo Passeira . direcção do coro
Alunos do Conservatório de Música de Seia
Hélder Abreu . direcção musical
Maria Luísa Rodrigues . narração
Rui Andrade . percussão
Maria Monteiro . flauta; Filomena Afonso . violino
Ana Clara . clarinete; João Oliveira . violoncelo
Constança Neves . piano
Fátima Fonte
Era uma vez eu alface
15 e 17 de Fevereiro, Salão Nobre do Teatro Nacional de São Carlos, Lisboa
Mário João Alves . narrador
José Eduardo Gomes . direcção musical
Orquestra Sinfónica Portuguesa
Joana Carneiro . maestrina titular
Sara Ross
Uma história que começa pelo fim
15 e 17 de Fevereiro, Salão Nobre do Teatro Nacional de São Carlos, Lisboa
Mário João Alves . narrador
José Eduardo Gomes . direcção musical
Orquestra Sinfónica Portuguesa
Joana Carneiro . maestrina titular
Sofia Sousa Rocha
A verdadeira Hidrostória do Elefonte
15 e 17 de Fevereiro, Salão Nobre do Teatro Nacional de São Carlos, Lisboa
Mário João Alves . narrador
José Eduardo Gomes . direcção musical
Orquestra Sinfónica Portuguesa
Joana Carneiro . maestrina titular
Rui Dias
Microsonic Spaces AV
16 de Fevereiro, Aveiro_Síntese 2018, Teatro Aveirense
instalação interactiva
Tiago Lestre
Ardente refluxo da maré
18 de Fevereiro, Aveiro_Síntese 2018, Teatro Aveirense
Nova Música para Novos Músicos *
Pedro Bento
Morph 1
18 de Fevereiro, Aveiro_Síntese 2018, Teatro Aveirense
Nova Música para Novos Músicos *
Ângela Lopes
DITTY
18 de Fevereiro, Aveiro_Síntese 2018, Teatro Aveirense
Nova Música para Novos Músicos *
Mariana Vieira
Reflexo
18 de Fevereiro, Aveiro_Síntese 2018, Teatro Aveirense
Nova Música para Novos Músicos *
Diogo Novo Carvalho
Sílabas caídas
18 de Fevereiro, Aveiro_Síntese 2018, Teatro Aveirense
Nova Música para Novos Músicos *
Paulo Ferreira-Lopes
Circles
18 de Fevereiro, Aveiro_Síntese 2018, Teatro Aveirense
Nova Música para Novos Músicos *
António Chagas Rosa
Surf
18 de Fevereiro, Aveiro_Síntese 2018, Teatro Aveirense
Nova Música para Novos Músicos *
Clotilde Rosa
A Lira de Orfeu
18 de Fevereiro, Aveiro_Síntese 2018, Teatro Aveirense
Nova Música para Novos Músicos *
Virgílio Melo
Sefer
18 de Fevereiro, Aveiro_Síntese 2018, Teatro Aveirense
Nova Música para Novos Músicos *
Luís Antunes Pena
Duo
18 de Fevereiro, Aveiro_Síntese 2018, Teatro Aveirense
Nova Música para Novos Músicos *
Mariana Vieira
Reflexos
18 de Fevereiro, Aveiro_Síntese 2018, Teatro Aveirense
Nova Música para Novos Músicos *

* Dinis Sousa . direcção
Alunos da Academia de Música de Vilar do Paraíso, Academia de Música de Arouca, Conservatório de Música de S. José da Guarda, Conservatório Regional de Castelo Branco, Escola Artística do Conservatório Nacional, Escola Artística do Conservatório de Música de Aveiro, Escola de Música N.ª Sra da Cabo, Escola Profissional de Música de Espinho, Escola de Música de S. Teotónio
Luís Antunes Pena
Off-balance
23 de Fevereiro, Grande Auditório, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
Orquestra Gulbenkian
Pedro Neves . maestro
Rui Sul Gomes . percussão
Nuno Aroso . percussão
Christopher Bochmann
Fuga e Tocata (Le Tombeau de Couperin de Maurice Ravel) . orquestração
24 de Fevereiro, Teatro Thalia, Lisboa
Orquestra Metropolitana de Lisboa
Christopher Bochmann . maestro
Alexandre Delgado
Trio com piano "Camoniano"
27 de Fevereiro, Sala 2, Casa da Música, Porto
Trio Pangea
Léo Belthoise . violino
Teresa Valente Pereira . violoncelo
Bruno Belthoise piano
Agenda Catálogo de Partituras MIC.PT Espaço Crítica para a Nova Música PT MIC.PT EN MISOMUSIC.COM MIC.PT Youtube IAMIC Facebook Desactivar Subscrição